quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

ESCOLA DE MISSÕES PERMANENTE

A igreja metodista em Carlos Prates, BH, inicou no dia 28 de novembro, sua Escola de Missões Permanente. Vinte e cinco pessoas, graças a Deus, estão matriculadas para esta primeira turma. A escola tem como objetivo a formação de missioários/as com foco na igreja local. Consta do curriculo  como fazer missões, evangelismo pessoal, coreografia, teatro, etc. O curso é minnistrado pelo irmão Leônidas Guimarães coordenador do Ministério Juventude na Rocha, membro da igreja metodista em Barão de Cocais, formado em missões pela JOCUM. O curso será minsitrado em três módulos.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Para alcançar pessoas, a Igreja precisa mudar!

O pastor Roberto Lay visitou nos últimos dias 23 e 24 de junho a Primeira Igreja Batista de São José dos Campos-SP. Nessa visita, falou sobre o processo de transição de uma igreja convencional para igreja em células.
Na ocasião, Roberto foi entrevistado pela equipe do Jornal Comunidade, uma publicação da própria PIB SJCampos. Leia o que foi publicado.

O pastor Robert Michael Lay ou Roberto Lay, como é conhecido no Brasil, esteve visitando a PIB na última semana e abençoando não só a liderança como os membros que tiveram a oportunidade de receber suas palavras. O pastor de Curitiba atua como titular da Igreja Evangélica Irmãos Menonitas e há pouco mais de 12 anos coordena o Ministério Igreja em Células no Brasil, ministrando em congressos e seminários por todo o país a respeito da Visão e Estrutura de uma Igreja em Células. Cerca de 12.000 pastores e líderes de diversas denominações de todo o Brasil já foram treinados durante este período na implantação desta visão. O seu trabalho tem influenciado profundamente vidas e igrejas, levando-as a uma postura mais próxima dos planos que Deus tem para o Seu Reino. Roberto é casado com Alzira, tem quatro filhos e três netos. Em um bate-papo contou-nos como tem sido disseminar a missão de cuidar em células.
Jornal Comunidade. Pastor como é o movimento de "Células" (PG) ao redor do mundo?
Roberto Lay. O movimento de células ao redor do mundo hoje está sendo chamado de a segunda reforma, ou seja, a reforma dos odres. O vinho novo nós recebemos na primeira reforma no séc. 16 - a salvação pela graça mediante a fé, a palavra de Deus como única base para a nossa fé e prática. Nós ficamos com a estrutura antiga e o velho odre que tem em suas bases e raízes, no Velho Testamento, os sacerdotes etc. Perdemos o varejo e hoje os relacionamentos do varejo nos PGs é um retorno e está acontecendo em praticamente todas as igrejas ao redor do mundo. É um movimento mundial. O cristianismo em geral está retornando, voltando a ser uma igreja de relacionamentos também. Não só do culto do atacado, mas dos relacionamentos para o varejo.
JC. O que a Igreja ganha com esta transição?
RL. A Igreja como um todo ganha em intimidade, em identidade, em crescimento, não só quantitativo, mas qualitativo. Só tem vantagens porque ela agora tem a capacidade de transformar a sociedade.
JC. O que nós, como pessoas, ganhamos com este modelo?
RL.
Você, como pessoa, ganha estabilidade, cuidado mútuo, você ganha família. Na célula, você ganha pessoas com as quais você vai conviver e que vão cuidar de você e você pode cuidar de outros também. Começamos a viver a mutualidade.
JC. Sobre a igreja nos lares, ou seja, a igreja no varejo; porque eu posso fazer acontecer ou receber?

RL. O cuidado, por exemplo, é só no varejo. Um pastor não pode cuidar de todo mundo sozinho. O pastor não pode visitar todo mundo e dar atenção a todos, e para isso, nós membros fomos chamados para cuidar uns dos outros. Eu tenho essa grande capacidade de ter família e de realmente me relacionar com o outro.
JC. Mesmo no Brasil é muito difícil fazer uma transição. Porque?
RL. A dificuldade na transição acontece por causa da mudança. Nós não gostamos de mudança. O Dr. Ralph Neighbour diz que nós gostamos de melhoria no que existe, mas não de mudanças, e se a gente gosta de mudança é por pouco tempo. Em longo prazo queremos sempre retornar para o antigo, para aquilo que sempre fizemos, por medo do novo. Nós somos cômodos por natureza, preguiçosos por natureza, e isso inclusive entre pastores. Há pastores que não querem pagar o preço de uma mudança, porque dá trabalho.
JC. E aqueles que assumem esta transição, quais são as principais mudanças que ocorrem?
RL. O fato de não enxergar mais a igreja como multidão, mas como famílias, farão as pessoas cuidarem umas das outras. No aspecto do evangelismo fica muito mais fácil. O evangelismo sempre foi um empreendimento de grupo. Transformar homens em pescadores, significa que cada pessoa da nossa célula (PG) vai pegar em uma ponta da rede e fazer um arrastão. E vamos pegar peixe!
JC. Neste contexto encontraremos grupos com maior resistência. Quais são as consequências para aqueles que ficam de fora?
RL. A consequência da estagnação. Eu tenho visto isso nas igrejas. Membros que não querem a mudança e também não participam da transição ficam para trás. Eles vêem um novo convertido chegar e entrar num trilho de treinamento, em uma caminhada de crescimento e depois de 3 ou 4 anos já estão ganhando outras pessoas, discipulando outras pessoas e conduzindo. O que não entrou, fica lá atrás.
JC. Deixe para a nossa igreja uma palavra de encorajamento, já que estamos assumindo esta transição.
RL. O encorajamento é: não desistam. Per¬sistam! Transição não é fácil. Jesus fez a transição com os seus discípulos e levou três anos com 12 cabeças-duras, mas foi muito paciente. Se não fosse a Sua paciênica, persistência e determinação, o movimento chamado Igreja não teria nascido. Foi por causa da persistência Dele, por causa do amor, da paciência e da paixão. O pastor Mário Vega escreveu um livro so¬bre esta transição, sobre a implantação de células, cujo título é "Paixão e Persistência". Eu queria desejar isso a vocês, muito amor e persistência. Paixão por Deus e pelos perdidos e persistência nesta caminhada, nesta transição.
Extraído: www.celulas.com.br

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

MINISTÉRIO EM CÉLULAS

VISÃO DO MINISTÉRIO IGREJA EM CÉLULAS
A Igreja do NT foi o resultado da TRANSIÇÃO DA INSTITUIÇÃO do judaísmo centrado num local geográfico ( Israel), num prédio ( templo), numa cidade (Jerusalém), num sacerdócio limitado à tribo de Levi, num dia especifico de adoração (Sábado), com a finalidade exclusiva de preservação da instituição com os seus ritos, preceitos e leis, PARA um movimento leve, ágil e penetrante, sem centralização geográfica, por todo mundo; numa cidade - em toas as cidades; num prédio – em todas as casas; num sacerdócio restrito – todo crente faz parte do sacerdócio; num dia e estilo especifico de adoração – todos os dias em espírito e verdade; com a finalidade especifica de fazer discípulos de todas as nações, indo, batizando e ensinando todos a guardar (obedecer) as ordens do mestre, contando com a sua promessa de estar com esta IGREJA até o fim dos tempos.
O QUE É O ANO DE TRANSIÇÃO
Trata-se de um treinamento em 4 módulos oferecido pelo Ministério Igreja em Células no Brasil. Os módulos do Ano de Transição, preparados pelo ministério Igreja em Células, tem como objetivo principal preparar a igreja tradicional com sua base em programas e eventos, quase que exclusivamente realizados em seu prédio, para fazer com tranqüilidade e sem traumas pacifica e definitiva, a transição de valores antes da mudança de metodologia. Cada módulo tem a duração média de 16 horas.
O QUE É TRATADO NOS MÓDULOS?
Sobre os valores da Igreja no Novo Testamento; sobre a visão da Igreja que se reúne nas casas em pequenos grupos ( células), onde é possível a prática dos “uns com os outros” no contexto do convívio cristão; do esclarecimento da estratégia para isso tornar-se realidade na igreja local; da estrutura de funcionamento de uma Igreja em Células. Quer conhecer mais? Visite o site oficial do Ministério Igrejas em Células: www.células.com.br

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

MINISTÉRIO IGREJAS EM CÉLULAS

“CADA CASA UMA IGREJA,
         CADA MEMBRO UM MINISTRO...”
...vivendo em Cristo, de casa em casa e na Congregação.
            Há mais de 10 anos no Brasil, o Ministério Igreja em Células se dedica a assessorar igrejas e denominações na expansão do Reino de Deus, Buscando:
Mobilizar igrejas para a vivência do modelo do Novo Testamento;
Capacitar igrejas, dotando-as de planejamento estratégico para a mudança de paradigmas;
Disponibilizar ferramentas e materiais para uma transição pacífica e eficaz;
Equipar igrejas com ferramentas de treinamento de liderança e discipulado;
Assessorar por meio de seminários, congressos, consultas e materiais.
            No Brasil, muitas igrejas aceitaram o desafio e estão completando sua transição para uma igreja em células. Os resultados desta experiência, já testada por centenas de pastores e líderes em nosso país e no exterior ( EUA, Alemanha, Espanha, Austrália, Nigéria, África do Sul, Canadá, Inglaterra, Coréia do Sul, Hong Gong, etc), podem ser conferidos na vida pessoal e ministérios dessas lideranças de todo o mundo.
Quem recomenda:
“Até conhecer o processo de células, estávamos praticando grupos familiares com base no livro do Pr. David Cho. No entanto, os livros apenas passavam a visão, mas não ensinavam como fazer. Fomos forçados a parar, frustrados por não saber continuar. Em 1997, tive o contato com o Ministério Igrejas em Células no Brasil. Fiz os quatro módulos do Ano de Transição em Curitiba, onde aprendi com implantar, desenvolver e multiplicar o sistema de células. Sem o treinamento oferecido nos módulos, julgo praticamente impossível implantar com sucesso o modelo de células.”
Pr. Azaf C. pessoa, Igreja Pentencostal do Brasil no Amazonas, Manaus, Am.

“Em 1995 iniciamos o trabalho com grupos familiares. O trabalho cresceu, mas nosso treinamento de líderes era muito fraco e não sabíamos como fazer a supervisão. O treinamento do Ano da Transição em 1999 veio como uma grande benção para nós, pois, melhoramos tudo o que estávamos fazendo. Em 2000 tivemos o treinamento em nossa cidade, no qual envolvemos 60 líderes. Hoje temos centenas de grupos e sabemos para onde estamos indo.”
Pr. Jodé João de Moreira Mesqueita, Igreja Presbiteriana de Manaus.
Extraído – Ministério Igrejas em Células - www.celulas.com.br

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

MATURIDADE EM CRISTO

MATURIDADE EM CRISTO


(Filipenses 3.4-14)

INTRODUÇÃO

Para muitas pessoas, o caminho e a forma da Maturidade Cristã, ainda não está bem definida. Conceitos errados ainda estão impressos em suas mentes, e vivem por esses conceitos. Eis alguns conceitos morais que contribuem para a maturidade cristã, mas não são “Maturidade Cristã”.
1. VALORES MORAIS: Muitos pesam que ser um cristão maduro significa ser uma pessoa casta, honesta, íntegra, comprometida, responsável com as próprias obrigações e com certo grau de heroísmo em suas ações e renúncias, principalmente em se tratando de serviço cristão. Viver desta forma é bom e digno, mas ser um cristão maduro não é apenas isso.
2. CONHECIMENTO TEOLÓGICO: Para outros ser um cristão maduro é ter a capacidade de articular bem a teologia e a doutrina cristã, principalmente se for de uma corrente mais conservadora. O zelo pela Palavra de Deus, a firmeza das convicções, a segurança na proclamação e defesa da fé cristã evangélica. Creio a maturidade cristã passa por esse caminho mais não se restringe somente a isso.
3. COERÊNCIA ESPIRITUAL: Outros ainda pensam que a verdadeira maturidade cristã acontece quando tudo se transforma em experiências concretas e pessoais por meio do poder do Espírito Santo, a moral deixa de ser um simples moralismo para se transformar numa manifestação viva do poder de Deus. Assim, pecadores são transformados em santos e o conhecimento, zelo e defesa da verdade cristã deixam de ser realidades intelectuais e se transformam em testemunho vivo e poderoso da graça de Deus. Concordo com isso, mas a questão da Maturidade Cristã vai um pouco mais além.

4. ESTABILIDADE EMOCIONAL: Outros ainda pensam que a maturidade a cristã está vinculada com um tipo de “bem estar” emocional. Ser uma pessoa emocionalmente bem resolvida, realizada, que não carrega sentimentos e culpa, que goza de relacionamentos mais “profundos” e superou as suas próprias limitações. Isso traz algumas contribuições, mas ainda não alcança o propósito de Maturidade de Cristã.
CONCLUSÃO: O Caminho para a Maturidade Cristã: O Apóstolo Paulo passou por tudo isso, e não chegou a Maturidade Cristã por meio disso.
• Ele tinha valores morais: (Fp 3.4-5) “Bem que eu poderia confiar também na carne. Se qualquer outro pensa que pode confiar na carne, eu ainda mais: circuncidado ao oitavo dia, da linhagem de Israel, da tribo de Benjamim”.
• Paulo tinha conhecimento teológico: (Fp 3.5) “hebreu de hebreus; quanto à lei, fariseu”.
• Ele tinha coerência espiritual: (Fp 3.6) “quanto ao zelo, perseguidor da igreja”.
• E ele tinha estabilidade emocional: (Fp 3.6) “quanto à justiça que há na lei, irrepreensível”.
Mas tudo ele considerou como perda (Fp 3.7-8), pois a verdadeira Maturidade Cristã, está em deixar para traz tudo aquilo que traz justiça própria, todo o esforço moral soberbo, todo o legalismo e zelo que possa atrair algum status. A verdadeira Maturidade Cristã é prosseguir no caminho tendo diante dos olhos, “o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus". O crescimento e amadurecimento espiritual não é fruto de algum ajuste psicológico ou sociológico, de uma boa formação teológica ou do domínio das doutrinas bíblicas; muito menos de um volume de experiências sobrenaturais na bagagem espiritual. Amadurecer implica em caminhar perseverantemente em direção a Cristo, de tal forma que Sua vida gloriosa seja vivida por nós pelo poder do Espírito Santo. É anular a si mesmo, e permitir que Cristo viva em nós. E isso começa quando aceitamos a Jesus Cristo como Senhor e Salvador de nossa vida. Você quer recebê-lo em seu coração?

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

NASCER DE NOVO, CRESCER E AMADURECER PARA ENTRAR NA MANIFESTAÇÃO DO REINO DOS CÉUS

“Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra” (At 1.8)

            Deus deseja que Sua vontade eterna seja feita aqui na terra, assim como é feita no céu (Mt 6.10). Em Gênesis, depois de haver criado o homem à imagem e semelhança (Gn 1.26-27), Deus o abençoou e lhe disse que fosse fecundo, multiplicasse, enchesse a terra e a sujeitasse (v. 28). Aplicando essa bênção a nós hoje, podemos dizer que fomos salvos para gerar novas vidas, ou seja, para transmitir a vida do Senhor que há em nós a outros. O passo seguinte é criá-los e nutri-los, para que a vida neles cresça, e, à medida que crescem, os novos crentes também sejam por nós educados e instruídos. Isso é gerar e cuidar!
            O Senhor nos deu a incumbência de encher toda a terra. Após a sua ressurreição, Ele esteve com os discípulos por quarenta dias (At 1.3), para falar-lhes que a vontade de Deus é ter um reino na terra para representá-Lo a fim de que todos os lugares usurpados por Satanás sejam recuperados e o reino da terra se torne o Seu Reino (Ap. 11.15). Para entrar nesse reino é necessário ter a vida divina, pois o reino é uma questão de vida. Para entrar na realidade do reino de hoje, é preciso nascer de novo (Jo 3.3-5),e para entrar na manifestação do reino na vida vindoura é preciso ter a vida crescida e amadurecida!
            Quando ganhamos a salvação, ganhamos nova vida, que é divina, eterna, pela qual vivemos a vida em comunidade. A Igreja e as células, são os lugares onde as pessoas tem comunhão e oportunidade de crescer, receber cuidado, a fim de amadurecer paulatinamente para, então, entrar na manifestação do reino de Deus.
            No entanto, o ser humano é muito complexo! Apesar de o Senhor, após a Sua ressurreição, ter falado aos discípulos por quarenta dias, eles não conseguiram absorver adequadamente o que Ele lhes tinha dito. Mesmo antes da Sua ressurreição, no período em que andou com eles, o Senhor os aperfeiçoou e lhes ensinou muitas coisas, porém, eles se esqueceram de tudo! Depois de lhes ter dito tudo sobre o reino de Deus, eles ainda perguntaram quando seria a restauração do reino de Israel. Então o Senhor lhes propôs At 1.7.8. Não se tratava apenas do reino de Israel, que incluía no máximo a Judéia, pois o Seu reino era é bem maior que isso, tratava-se (trata-se) dos confins da terra! No dia de Pentecostes, eles receberam, por ordenança do Senhor, o Espírito de poder a fim de cumprir essa incumbência.
Um Fundamento – Ser testemunha até os confins da terra!
Uma pergunta – Quais são os requisitos para estarmos na manifestação do reino?

SOMOS LEVADOS A AMAR A FAMÍLIA DE DEUS

Desenvolvo esta reflexão pastoral de modo diferente das outras. Compartilho hoje um pouco da minha experiência pessoal no que diz respeito à igreja de Cristo.
Tive o privilégio de nascer e crescer numa família evangélica. Eu e os meus irmãos fomos habituados por nossos pais a dedicar nossas vidas à igreja do Senhor Jesus, e de maneira especial, nos dias de domingo. Isto era coisa configurada e muito bem definida na minha mente: domingo é dia de ir à igreja. Sendo assim, qualquer outra possibilidade ou programa que surgisse para os domingos, era considerada secundária, e portanto, facilmente passível de ser rejeitada.
Lembro-me claramente que nos dias de verão, quando passávamos a temporada em Marataizes, praia bem simples no sul ES, cerca de 50 minutos da cidade de Cachoeiro, onde vivi minha infância e juventude, que íamos à nossa igreja, ou a uma igreja mais próxima, para participar de pelo menos um dos dois cultos dominicais.
Também me lembro das atividades que aconteciam em torno dos cultos, e que em algumas delas, eu era participante ativo. Eu cantava no “conjunto jovem”, cujos ensaios aconteciam dominicalmente, das 11 às 12:00h. Também participava das reuniões da mocidade, que aconteciam sempre aos sábados e, às vezes, antes dos cultos da noite. Confesso que fazia tudo isso com muita satisfação em meu coração!
A partir deste brevíssimo relato da minha experiência pessoal, há duas coisas que faço questão de mencionar.
1 - A primeira, é que aprendi a amar a igreja do Senhor Jesus. Ela tem muitas virtudes, mas não é perfeita; proporciona satisfações, mas às vezes também entristece; conforta, mas é verdade que nela, em diversos momentos, também sentimos dores. Contudo, confesso que não conseguiria conceber minha vida, a minha rotina e a regularidade da minha existência, sem estar integrado, e bem integrado na igreja do Senhor Jesus.
2 - A segunda menção que faço, é que em nossa rotina familiar, a nossa participação dominical na igreja não acontecia quando as circunstancias favoreciam, ou quando as atividades do fim de semana permitiam. A vida era programada tendo-se como prioridade a nossa ida aos cultos dominicais. Os nossos finais de semana eram planejados em função da igreja. Fazíamos outras coisas, se as nossas atividades na igreja permitissem, ao invés de irmos à igreja, se as demais atividades permitissem.
Deste modo aprendi com os meus pais, e deste modo procuro viver com a minha família hoje. Posso afirmar que isso foi uma benção para a minha vida pessoal, assim como tem sido benção para a vida da minha família hoje.
Seria arrogância de minha parte apresentar minhas próprias experiências como referências para outros. Não é essa minha pretensão neste relato. Apenas espero, sinceramente, que este compartilhar contribua para o fortalecimento da sua participação em nossa igreja, e do seu amor para com ela. Que assim seja!
Pastor Lugon

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

FAZENDO A DIFERENÇA

FAZENDO DIFERENÇA COMO TESTEMUNHA DE CRISTO ENTRE OS SEUS
Quando conhecemos o Senhor Jesus Cristo, fomos constituídos suas "testemunhas" e incumbidos de proclamar o "evangelho do reino de Deus". Entretanto, nos deparamos com diversas barreiras que dificultam o cumprimento de nossa missão. Entre elas, se encontram os antigos padrões de comportamento, conceitos e práticas que, em geral, são totalmente contrários aos valores do reino de Deus. É preciso romper com estes conceitos. Entre esses conceitos encontramos um que é particularmente danoso ao cumprimento de nossa grandiosa tarefa de proclamar o evangelho, fazendo com que nos atemorizemos e nos escondamos atrás desta afirmação: "O profeta não é reconhecido em sua própria casa". A expressão popular para este conceito é "santo de casa não faz milagres".Dessa forma, muitos têm se calado perante os seus familiares e amigos mais próximos com relação ao seu compromisso pessoal com Jesus Cristo. Devemos nos despojar desta distorção enganosa do texto bíblico, e testemunhar com ousadia e fé aos nossos familiares, considerando que a nossa família é o nosso primeiro "campo missionário". Os Evangelhos nos apresentam alguns exemplos animadores: André (João 1.40-42). Sua primeira reação depois de encontrar-se com Jesus foi buscar o seu próprio irmão Simão Pedro. A quem você testemunhou logo depois de sua decisão por Cristo? O desejo de André era repartir com aqueles que lhe eram mais queridos, sua maravilhosa descoberta: o Messias. E que impacto ocorreu na vida de Simão quando se encontrou com Jesus! Como foram abundantes os frutos daquela iniciativa de André! Além do mais, vemos uma sequência de procedimento resultante de tal iniciativa. Pedro também é um exemplo animador. Pedro (Marcos 1.29-31). Assim que conheceu o poder do Senhor Jesus, Pedro o levou para sua casa, uma vez que sua sogra achava-se enferma. Pedro sabia qual seria o resultado daquela visita. Como era esperado, a mulher foi curada pelo Senhor Jesus e logo se lançou ao serviço hospitaleiro. O homem curado de lepra (Marcos 1.43-45). Ele certamente não poderia calar-se diante de tão grande maravilha operada em sua vida, apesar de ter sido veementemente advertido por Jesus para nada dizer a ninguém e somente apresentar-se às autoridades competentes. Ao contrário disto, ele se pôs a propagar por toda a cidade o que o Senhor lhe fizera, gerando um tremendo interesse e alvoroço em toda a região da Galiléia. O geraseno liberto e restaurado (Lucas 8.34-39). Ele era conhecido por todos em sua região, em virtude do absurdo modo de vida que lhe havia sido imposto pelos demônios que o dominavam. Você conhece alguém em situação parecida? Quando se encontrou com o Senhor ele foi liberto e restaurado, o que causou tremendo impacto na cidade. Enquanto o povo da cidade estava atemorizado e pediu que Jesus se afastasse deles, o homem liberto queria a todo custo estar com o seu libertador. Ele se julgava pronto para proclamar em todo lugar o que lhe havia sucedido. Entretanto, o Senhor o fez ver que seu primeiro "campo missionário" estava justamente ali entre os seus, em sua casa. Sua obediência abriu as portas da região de Decápolis para uma visita posterior de Jesus (Marcos 7.31-37). Assim, vemos que nossa primeira iniciativa em termos de esforço missionário é proclamar Cristo entre os nossos familiares e amigos mais próximos. São aqueles que nos conhecem, com os quais convivemos, os que precisam ouvir primeiro a nossa proclamação acerca do Senhor Jesus. O primeiro chamado que o crente em Jesus deve responder, é o de ser uma testemunha de Cristo entre os seus. Vejamos a base bíblica para este posicionamento: É o maior desafio para a família (Josué 24.15). Não importa o que a sociedade na qual vivemos queira fazer, ou o que os nossos vizinhos escolham para si mesmos, ou ainda o que a nação inteira decida fazer, o desfio para a "nossa família" é servir ao Senhor. Isto somente será uma realidade em nossa casa, se formos fiéis no testemunhar de Cristo aos nossos queridos. É promessa aos que crêem (Atos 16.27-34). Não devemos ter a menor dúvida de que o Senhor Jesus quer visitar nossa casa (Lucas 9.1-6). Também vemos isto constantemente repetido no livro de Atos. 1) A casa de Cornélio - (10.24, 33, 44-48). 2) A casa de Lídia - (16.11-15). 3) A casa de Crispo - (18.5-11). Os resultados desta promessa se estendem até mesmo àqueles que não têm família, como podemos ver na experiência da mulher samaritana com quem Jesus conversou junto ao poço. Muitos outros samaritanos creram em Jesus por causa do seu testemunho (João 4.39-42). Devemos tomar as palavras de Jesus ao geraseno liberto como uma solene advertência para nós hoje: "Volta para casa e conta aos teus tudo o que Deus fez por ti..." (Lucas 8.39) (ARA). Nosso zelo cristão deve ser visto primeiramente em nossa casa (1 Timóteo 5.8) e não em outro lugar qualquer. "Se alguém não cuida de seus parentes, e especialmente dos de sua própria família, negou a fé e é pior que um descrente".Além do mais, nos deparamos com uma terrível constatação: se não falarmos o que é devido aos nossos familiares, outros falarão o que não convém (1 Timóteo 1.10-11). Assim é que muitas casas acabam sendo "casas divididas" em termos espirituais, quando seitas heréticas arrastam os familiares de alguém que confessa a Jesus Cristo como Senhor. Para que isto não aconteça em sua casa, comprometa-se a fazer diferença como testemunha de Cristo entre os seus e seja um verdadeiro missionário entre os que convivem com você!
Pr. Clori MarianoIgreja Missionária UnidaCampinas - SPOutubro/2010
Esse texto eu copiei do site http://www.celulas.com.br/ ( Lugon).

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

EVENTOS COLHEITA EM CARLOS PRATES


A igreja metodista em Carlos Prates, Belo Horizonte na graça de Deus, realizou dois grandes Eventos Colheita e de capacitação nos meses de Setembro e Outubro. O Falando em Células, reuniu 100 pessoas de algumas cidades da IV Região: Belo horizonte, Cachoeiro, Juiz de Fora, Betim, Contagem. Além de uma palestra de abertura enfocando a visão de uma igreja em células, à tarde, o grupo se reuniu em 05 oficinas: O processo de implantação, célula,  o que é isso?, trabalho em conjunto, comunicação nas células, construindo um igreja de relacionamentos saudáveis. Após as oficinas, cada grupo pode vivenciar um tempo em células. Nos dias 05/06/10, o pastor Roberto Lay, coordenador nacional do ministério das igrejas em células, ministrou para pastores/as,discípulos e líderes de células, trazendo aos nossos corações uma palavra de amor e desafio, esclarecendo dúvidas e certeza que esta é uma visão de Deus para as nossas igrejas. Estes foram momentos de muita bênção, confraternização e capacitação para aqueles/as que estão ou já implantaram a visão de células ou pequenos grupos em suas igrejas. Cumprimos então o que nos diz Efésios 4.11-12:
E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo” Efésios 4.11-12
Agradeço a Deus pela equipe de discípulos que Ele tem me concedido. Todos/as trabalharam muito, com amor e dedicação.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Consolidação, Fundamentação, Penetração, Cultivo

Consolidação, Fundamentação, Penetração, Cultivo
Consolidação, Fundamentação, Penetração, Culto Dr. Ralph Neighbour criou por meio da ferramenta WizeHive um Fórum Internacional de Igrejas em Células (em inglês) com o objetivo de conectar e promover troca de experiências entre os pastores e líderes de igrejas em células de todo o mundo. Divulgamos aqui, com a autorização devida, os comentários e artigos que selecionamos e traduzimos para você. [Image]Quando uma igreja em células se livra de toda a trabalheira que não é produtiva, ela pode focar em três Eventos de Colheita ao ano. Leva ao menos 4 meses para preparar um desses eventos. Eu realmente creio que se estivermos em uma comunidade autêntica que incorpora a Presença e o Poder de Cristo, Sua missão ditará a NOSSA missão e isso determinará o calendário.
Um trilho de treinamento especificamente designado para desenvolver crentes de "filhinhos" em "jovens" para vencer o maligno irá produzir "pais" que se reproduzem. Eu experimentei pessoalmente o poder disso e posso mostrar-lhe muitas igrejas na África do Sul e no Brasil que têm visto uma colheita constante permitindo que o Espírito Santo guie as células aos "homens de paz". Ele faz o preparo de Seu trabalho. Para encontrá-los, ganhá-los, então penetrar em seus oikoses e expandir a colheita com membros da família é a alegre tarefa de uma comunidade de células. Não é algo difícil quando somos sensíveis à direção do Espírito que nos antecede, preparando aqueles que estão em busca de paz.
É preciso uma mudança de paradigma para parar todas as atividades que temos inserido no "igrejismo" tradicional e substituí-lo com estratégias sólidas. Se você está pronto, reveja o calendário e ajuste-o à sua situação. Se for preciso, agende um evento de colheita a cada 6 meses em vez de a cada 4 meses. Tendo um objetivo, você ajuda as pessoas a terem uma visão.
Dr. Ralph NeighbourInternational Cell Church Forum - 23.05.2010
Fonte: Ministério das Igrejas em Células

terça-feira, 21 de setembro de 2010

CULTO DAS ALIANÇAS

No último domingo, 19/09, no encerramento da campanha de 40 dias de oração e jejum, a igreja metodista em Carlos Prates, realizou o culto da renovação das alianças. Em um clima de muita unção, mais de 40 casais, diante de Deus, familiares e de uma igreja entusiasmada, renovaram seus votos de casamento.

Vídeos Carlos Prates

video
video

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Roberto Lay

Pr. Roberto em Recreio dos Bandeirantes-RJ




"Nós, da Primeira Igreja Batista do Recreio dos Bandeirantes-RJ, fomos grandemente abençoados pela presença do Pr Robert Lay.
Seu jeito dócil e marcante cativou toda a nossa igreja e liderança. Sua maneira simples e ao mesmo tempo profunda de transmitir as verdades do Reino e o trabalhar em Cristo, através das palestras e mensagens trouxeram inspiração e um renovo especial, vindo diretamente do bom Deus.
Como cariocas que somos gostamos do seu jeito "vovozão" de ser, ou seja, sempre com um sorriso, um abraço, uma palavra encorajadora e acolhedora. Deus seja louvado pela sua vida, família e ministério."
Pr José Paulo Moura Antunes
Pastor de Comunhão e Família
Primeira Igreja Batista do Recreio dos Bandeirantes-RJ

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

TRABALHO EM CONJUNTO

Aos Pastores/as


e Igrejas

IV Região Eclesiástica

Workshops: Usando a Criatividade e Pais Conectados

Com as mudanças da configuração familiar e o acesso ilimitado às informações, precisamos de ferramentas adequadas para uma aprendizagem de qualidade. Educar os filhos é responsabilidade e privilégio dos pais. À igreja compete dar suporte e acompanhamento dos pais na educação dos filhos. Esse é desafio para os educadores cristãos. Como ministério, trabalhamos no sentido de resgatar os valores e princípios bíblicos da responsabilidade paterna sobre a vida espiritual dos filhos.

Para isso, buscamos;

• Apoiar as igrejas com material didático dentro dessa visão;

• Auxiliar os pais oferecendo ferramentas para que eles possam assumir sua responsabilidade e investir na vida espiritual dos filhos;

• Instrumentalizar as células com material didático para o evangelismo por amizade.

Por isso oferecemos treinamento para a implantação da visão do ministério infantil na visão de igreja em células.

WORKSHOP USANDO A CRIATIVIDADE

OBJETIVO

— Rever valores

— Firmar a visão

— Qual o lugar da criança na igreja em células?

— Equipar facilitadores

TEMAS

— Tomando posição (quebrando paradigmas)

— Invista hoje (responsabilidade paterna)

— Criatividade x recursos alternativos

— Eu facilito, tu facilitas... Eles aprendem? (Ensino por princípios)

— O ambiente discipulador

— Reconectando as gerações

DURAÇÃO

6 horas

PARA QUEM?

— Pastores

— Supervisores

— Líderes de Célula

— Professores/Facilitadores

COM QUEM?

Edile Maria Fracaro Rodrigues, educadora há mais de vinte anos, mestre em Educação pela PUC-PR, coordenadora pedagógica do material Trabalho em Conjunto do Ministério Igreja em Células no Brasil, membro da 3a IPI de Curitiba.

WORKSHOP PAIS CONECTADOS

OBJETIVO

— Resgatar os valores bíblicos

— Resgatar responsabilidade dos pais

— Reconectar gerações

TEMAS

— O ambiente discipulador

— Resgatando a responsabilidade

— Ligando as gerações

— Preparando essa geração

DURAÇÃO

— 6 horas

PARA QUEM?

— Pais

— Líderes de Célula

— Pastores

— Supervisores, Professores/Facilitadores

COM QUEM?

Edile Maria Fracaro Rodrigues, educadora há mais de vinte anos, mestre em Educação pela PUC-PR, coordenadora pedagógica do material Trabalho em Conjunto do Ministério Igreja em Células no Brasil, membro da 3a IPI de Curitiba.

POR QUÊ?

Educar os filhos é responsabilidade e privilégio dos pais. À igreja compete dar suporte e acompanhamento dos pais na educação dos filhos.

DATA

15/16/17 de Outubro. Sexta/sábado Domingo

LOCAL : Igreja Metodista em Carlos Prates, BH – 3412-3627

Informações e inscrições – pastorlugon@hotmail.com imcarlosprates@hotmail.com

Taxa de inscrição para os três dias – R$ 25,00 ( vinte e cinco reais).

Pastor Lugon

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

LIVRO - CRESCIMENTO EXPLOSIVO DAS IGREJAS EM CÉLULAS (RESUMO)


Fatores que não tem influência sobre a multiplicação.
Características do líder, como sexo, classe social, idade, estado civil ou formação.
O tipo de personalidade do líder.
Tanto os líderes introvertidos como os extrovertidos multiplicam as suas células.
O dom espiritual do líder:
As pessoas com o dom de ensino, de pastor, misericórdia, liderança e evangelismo multiplicam suas células da mesma maneira que outros.

Fatores que têm influência sobre a multiplicação.
O tempo devocional do líder de célula:
Os líderes que investem 90 minutos ou mais em devocionais diárias multiplicam os seus grupos duas vezes mais do que aqueles que investem menos do que 30 minutos por dia.
A intercessão do líder da célula pelos membros da célula:
Os líderes que oram diariamente pelos membros da célula têm maiores probabilidades de multiplicar seus grupos.
O tempo que o líder investe com Deus em seu preparo para o encontro da célula:
Investir tempo com Deus, preparar o coração para o encontro da célula é mais importante do que o preparo para o estudo.

Estabelecer alvos:

O líder que falha na fixação de alvos, os quais os membros recordam, tem 50% de probabilidade de multiplicar sua célula. Fixar alvos aumenta essa probabilidade de multiplicar para 75%.
Conhecer a data da multiplicação da sua célula:
Líderes de célula que estabelecem alvos específicos para trazer à vida (uma nova célula) multiplicam seus grupos com mais freqüência do que os líderes sem alvos.

Treinamento:
Líderes de célula que se sentem melhor treinados multiplicam suas células com maior rapidez. No entanto, treinamento não é tão importante como a vida de oração do líder e a clareza de seus alvos.
A freqüência com que o líder da célula faz contato com pessoas novas:
Líderes que fazem contato com cinco a sete pessoas novas por mês têm 80% de probabilidade de multiplicar a sua célula. Quando o líder visita de 1 a 3 pessoas por mês, as chances caem para 60%. Líderes que visitam oito pessoas novas ou mais cada mês multiplicam os seus grupos duas vezes mais do que aqueles que visitam uma ou duas.

Estímulo nas células para convidar amigos:
Líderes de célula que encorajam semanalmente os membros para convidar visitantes duplicam sua capacidade de multiplicar os seus grupos - em contraposição àqueles líderes que o fazem apenas ocasionalmente ou nunca.

Número de visitantes na célula;
Há uma relação direta entre o número de visitantes no grupo e o número de vezes que o líder multiplica o grupo.
Encontros sociais:
As células que têm seis ou mais encontros sociais por mês se multiplicam duas vezes mais do que aquelas que têm apenas um ou nenhum.
Preparar auxiliares :
Os líderes que preparam uma equipe para ajudar na liderança dobram sua capacidade de multiplicar a célula.
Nível de cuidado pastoral:
Visitação regular pelo líder aos membros da célula ajuda a consolidar o grupo.
Oração pelos membros do grupo:
Ao comparar a oração, contatos e encontro sociais, descobriu-se que a oração por membros do grupo é o trabalho mais importante do líder para unificar e fortalecer o grupo no preparo para a multiplicação. A formação de uma equipe vem logo em segundo lugar.
Preparo do líder:
Ao comparar devocionais, alvos, treinamento e preparo, descobriu-se que devocionais e alvos são o mais importante. Uma liderança eficaz de células é muito mais uma aventura liderada pelo Espírito Santo do que uma técnica de estudo bíblico.
Ênfase evangelística do grupo:
Ao analisar visitação a pessoas novas, estímulo para trazer pessoas e a presença de visitantes no grupo, descobriu-se que visitação e estímulo são igualmente importantes no processo de multiplicação. O fluxo de visitante vem em segundo lugar.
Resumo dos fatores-chave que são essenciais para a multiplicação da célula:
Fatores essenciais para a multiplicação de grupos são devocionais dos líderes, o evangelismo dos líderes, o evangelismo em grupo e a formação de uma equipe:
Orar por membros da equipe e estabelecer alvos são primordiais na primeira multiplicação da célula:
Treinamento da liderança e encontros sociais são necessários para as próximas multiplicações.

REUNIÃO DA EQUIPE DE LIDERANÇA CENTRAL

Escrevo este artigo em Winnipeg, Canadá. Estou aqui há quatro dias falando em uma conferência no Centro Internacional de Adoração, uma notável igreja em células que tem 80 células e 800 membros (pastor Junie Josue). Falei aos pastores e líderes nos primeiros dois dias, mas no terceiro dia o pastor Junie me pediu que falasse à sua vida e à vida de seus líderes. Uma das coisas essenciais que eu disse a Junie foi que se concentrasse na sua equipe de liderança central, que consiste de cinco casais da rede de células que supervisionam as oitenta células (com a ajuda de supervisores sob cada rede). Disse a ele que invista a maior parte de seu tempo com esses líderes centrais, desenvolvendo o relacionamento com eles e supervisionando o sistema de células por meio deles.
Eu encorajo pastores titulares, como Junie, a se reunir com a maior frequência possível com essa liderança central (semanalmente é o ideal, mas reunir-se quinzenalmente também funciona). Em relação ao que é feito nessa reunião com a liderança central, recomendo o seguinte:
1. O pastor titular fala à vida de seus líderes chave. Ele compartilha o que Deus lhe está revelando por meio das Escrituras e então pede à equipe cerne que reaja ao que compartilhou. Também é excelente orar uns pelos outros e ministrar às necessidades mutuamente.
2. Revisem o progresso das células. Creio que o ideal é que cada líder dessa equipe tenha estatísticas que mostrem:
- uma lista de cada célula com a frequência na célula da semana anterior e qualquer outra informação pertinente
- os nomes dos que estão fazendo o trilho de treinamento e qual o estágio em que estão no trilho
- o objetivo da célula para o final do ano.
Eu encorajo cada líder da equipe central a falar a respeito da rede de células que está sob seu cuidado, destacando as células que estão enfrentando dificuldades, aquelas que estão prontas para se multiplicar, vitórias espirituais de líderes de célula e necessidades urgentes. A beleza dessa abordagem é que a equipe de liderança é capaz de pastorear a igreja toda por meio da estrutura de células.
Depois de discutir as células, a equipe pode então passar a tratar da asa do atacado da igreja, como o(s) culto(s) de celebração, vários ministérios e assuntos relativos ao calendário. Na minha experiência, uma reunião normal de liderança dura cerca de duas horas.
Joel Comiskey
(International Cell Church Forum - 02.06.2010)

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

LANÇAMENTO DA CAMPANHA DE 40 DIAS DE ORAÇÃO E JEJUM EM FAVOR DA FAMÍLIA

No último domingo, a igreja metodista em Carlos Prates, com um culto abençoado e festivo, lançou a Campanha de 40 dias de oração e jeum em favor da família. Esse será um tempo de muita oração e bênção para nossas famílias. O culto foi abrilhantado com a presença da banda justiça de Jesus. Esta Campanha é nacional e tem o apoio da Sociedade Bíblica do Brasil.

O DISCÍPULO E O DESENVOLVIMENTO DA MATURIDADE CRISTÃ

A vontade de Deus para nós, como discípulos do Mestre, é o nosso crescimento espiritual progressivo, através de uma vida na plenitude do Espírito Santo, vivendo em santidade, até que cheguemos à maturidade cristã. A oração de Paulo pelos colossenses e sua visão de crescimento espiritual manifestada aos efésios mostra isso:.."não cessamos de orar por vós, e de pedir que sejais cheios do pleno conhecimento de sua vontade, em toda a sabedoria e entendimento espiritual; para que possais andar de maneira digna do Senhor, agradando-lhe em tudo, frutificando em toda boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus". "....Tendo em vista o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, ao estado de homem feito, à medida da estatura da plenitude de Cristo".(1)
Jesus deixou claro que o caminho para a maturidade cristã, a santificação, a plenitude do Espírito, a vida frutífera, é conhecer e permanecer nas verdades contidas em sua Palavra, e assim ordenou aos seus discípulos:"Permanecei em mim, e eu permanecerei em vós; como a vara não pode dar fruto, se não permanecer na videira, assim vós, se não permanecerdes em mim. Eu sou a videira; vós sois as varas. Quem permanece em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer"(2)
Embora não exista uma fórmula para a maturidade cristã, diariamente você pode buscá-la. A seguir são enumeradas algumas sugestões que, colocadas em prática, muito auxiliarão a você que deseja prosseguir em direção à maturidade, a fim de que também possa ajudar outros a crescerem espiritualmente.
1.INTEGRE-SE EM SUA IGREJA
É fundamental que você participe dos trabalhos de sua igreja, para que haja crescimento espiritual. Algumas coisas só são possíveis quando estamos integrados na igreja. Por exemplo: É na igreja que aprendemos a sã doutrina, recebemos treinamento eficaz, adoramos e louvamos ao Senhor, enquanto mantemos comunhão uns com os outros; é na igreja que somos despertados para as oportunidades de trabalho para o Senhor e nos preparamos para cumprir o propósito de Deus para as nossas vidas.
A igreja é tão importante que Cristo a amou e a si mesmo se entregou por ela(3). Além do mais, Deus escolheu a igreja para que realizasse seu plano de redenção.(4).Portanto, envolva-se completamente na vida e nas atividades de sua igreja.
2. ESTABELEÇA UM MOMENTO DEVOCIONAL DIÁRIO (A sós com Deus )
Cultivar um momento de comunhão com Deus será de fundamental importância se quisermos ter uma vida de crescimento espiritual. Será um momento quando deixaremos Deus falar pela sua palavra e falaremos com ele pela oração e pelo louvor. Será um tempo de comunhão com Cristo.Escolha um bom local, salvo de interrupções, e use para isso pelo menos 15 minutos diariamente pela manhã, à tarde ou à noite. Aprenda a ter comunhão diária com Deus como algo prioritário para sua vida.
2.TENHA FOME E SEDE DA PALAVRA DE DEUS
O conhecimento da Palavra de Deus está intimamente ligado com o crescimento espiritual do discípulo. Pouco conhecimento, pouco crescimento; muito conhecimento, muito crescimento. Os grandes homens de Deus foram homens que amaram a Bíblia, tendo-a lido várias vezes. Alguns estudos têm mostrado que : assimilamos de 10 a 15% quando ouvimos; de 15 a 25% quando lemos; de 50 a 60% quando estudamos; de 60 a 80% quando meditamos, e em torno de 100% quando memorizamos. Portanto, a memorização de textos bíblicos é de vital importância para o crescimento do cristão, pois assim o Espírito Santo poderá aplicar as verdades divinas em sua vida diária e conceder vitórias espirituais.
Leia a Bíblia toda sistematicamente. Sublinhe e memorize os versículos vitais ao seu crescimento espiritual. É importante que você escolha um método de leitura completa da Bíblia. Veja alguns textos que mostram a importância da Palavra habitar sempre em nós: Sal. 119:9-16,105.
4. DESENVOLVA UMA VIDA CONSISTENTE DE ORAÇÃO
Outro elemento vital para a vida abundante e a maturidade cristã é a oração. É por meio dela que mantemos comunhão com Deus. Aprendemos a orar , orando. Jesus ensinou a importância da oração a seus discípulos. A oração eficaz deve incluir vários elementos: adoração, confissão, intercessão, petição.(5).
A Bíblia nos aponta os impedimentos à oração eficaz: incredulidade, motivação errada, orar pouco, sem insistência, pecados não confessados, estar fora da vontade de Deus.(6).Deus deseja realizar grandes coisas em sua vida a partir de suas orações.
5. CONHEÇA E PERMANEÇA NO CENTRO DA VONTADE DE DEUS
A oração do discípulo de Jesus deve ser : ".....seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu".Davi escreveu: " Deleito-me em fazer a tua vontade, ó Deus meu".(7). Deus tem um plano para cada área de nossa vida.Ele promete dar-nos sabedoria para que possamos discernir a sua vontade. Grande parte do que Deus deseja de nós com relação a pensamentos e atitudes já foi revelado em sua Palavra. A medida que o discípulo estuda e conhece a Palavra, ele também conhecerá a vontade de Deus.
6. VIVA SOB O SENHORIO DE CRISTO
Jesus Cristo deve ser o centro da vida de todo discípulo. É na área da plena submissão à sua vontade e total obediência à sua Palavra, que o senhorio de Cristo se estabelece. Viver sob o senhorio de Cristo significa negar a si mesmo, a morte do ego, e isso é um ato de deliberada escolha própria. Só assim daremos liberdade total para que o Espírito Santo possa viver a vida de Cristo em nós. A igreja de hoje está carecendo urgente de discípulos que aprendam a obedecer a Cristo, custe o que custar.
7. OBTENHA VITÓRIA SOBRE A TENTAÇÃO E O PECADO
As tentações e o pecado nos vêm de 3 fontes básicas: a carne, o mundo e satanás. Há 4 coisas que nos garante a vitória: a oração, a Palavra de Deus, a dependência do Espírito Santo e a nossa ação.
a) A CARNE
Em nossa carne "não habita bem algum", diz o apóstolo Paulo.( 8).Há uma luta constante entre a velha natureza (a carne) e o espírito.(9).A solução de Deus para a carne é a cruz de Cristo:"Sabendo isto, que o nosso homem velho foi crucificado com ele para que o corpo do pecado fosse desfeito, a fim de não servirmos mais ao pecado".(10).É andando no Espírito que temos a vitória sobre a carne, pois ele faz morrer as obras da carne.(11). A Palavra de Deus nos recomenda vigiar, orar e fugir das tentações.(18).
b) O MUNDO
Em sua oração por nós, Jesus disse: "Não rogo que os tires do mundo, mas que os livre do mal". O objetivo do mundo é fazer-nos conformar com seus valores e princípios, produzindo uma influência graduada e profunda em nossas mentes e em nossa maneira de viver, afastando-nos de Deus. Livros, revistas e alguns dos programas de rádio e TV são os maiores responsáveis por essa influência altamente prejudicial a uma vida de santidade. A Palavra de Deus é muito clara a respeito do mundo: "Não ameis o mundo"; "O mundo inteiro jaz no maligno"; "Infiéis, não sabeis que amizade do mundo é inimizade contra Deus?" "E não vos conformeis com a este mundo..."(13)
c) SATANÁS
Satanás é o adversário do crente. Ele é homicida, mentiroso e pai da mentira. A Bíblia mostra Satanás em ação, levando o homem a pecar. Os crentes devem conhecer as ciladas do Diabo e os meios de vencê-las."Resisti ao Diabo, e ele fugirá de vós".(14).Para isso, aproveitemos os recursos que Deus coloca ao nosso dispor, tomando toda a armadura de Deus.(15). A ordem divina é resistir.

 Texto extraído

SUPERVISÃO DE CÉLULAS

Supervisão de Líderes
de JCG Agosto 2010 Newsletter, www.joelcomiskeygroup.com
Todos nós já ouvimos a velha história de que você tem de fracassar três vezes no ministério de células até conseguir fazê-lo funcionar. Um dos meus fracassos foi na igreja na cidade de Long Beach em 1983 a 1989. Começamos em uma casa e iniciamos várias células em 1984. As células acabaram morrendo porque eu acreditava que elas funcionariam sozinhas, sem minha ajuda. Outro fracasso que experimentei cedo foi na primeira igreja em que servi no Equador em 1990. Começamos cinco grupos e os deixamos se arranjando sozinhos. A maioria deles morreu rapidamente, mas pelo menos uma durou, e durou tanto tempo que finalmente se tornou cancerosa porque havia briga e fofoca no grupo.
Um dos elementos essenciais que estava faltando em ambos os casos foi a supervisão. Aprendi por meio da experiência a verdade contida nas palavras de David Cho: "O papel mais importante no ministério de células é o do líder de seção (supervisor)". A pesquisa de doutorado de Jim Egli confirmou as palavras de Cho. Ele descobriu que a supervisão era o fator chave por trás de igrejas em células saudáveis que produzem fruto. Aqui estão algumas razões por que um líder de célula precisa de um supervisor:
Desânimo: Satanás vem com sua aljava carregada para atirar flechas de desânimo e dúvida no coração de líderes de célula. O papel do supervisor é ouvir atentamente e então encorajar os líderes de célula a seguir em frente.
Deficiência nutricional: Alguns líderes de célula simplesmente têm de ser lembrados de habilidades chave na liderança como ouvir, preparar perguntas, arrumar as cadeiras na casa, silenciar o participante que fala demais, orar por outros etc. Novamente, o papel do supervisor é fundamental para ajudar o líder a resolver essas questões.
Problemas pessoais: Muitos dos problemas do líder de célula não têm nenhuma relação com a célula. O líder está, na verdade, com dificuldades na sua vida pessoal (por exemplo, família, finanças, saúde etc.). O supervisor é chamado a pastorear líderes e ministrar sobre suas necessidades.
Pecado secreto: Satanás quer que os líderes de célula não apenas pequem, mas que também escondam seus pecados de outras pessoas. Às vezes o supervisor pode perceber que algo está errado com o líder, mas não tem como abordá-lo.Há um torpor. Uma fuga. Lembro-me de ter supervisionado um líder que havia parado de compartilhar em profundidade, mantendo nosso relacionamento num nível superficial. Mais tarde, descobri que ele estava tendo um caso, e nós pedimos que deixasse sua posição de liderança. A única maneira de saber esse tipo de coisa é gastando tempo com o líder.
Espírito de Absalão: Absalão era o filho errante do rei Davi que o sucedeu conquistando o coração de Israel para si (2 Samuel 15). Alguns pastores rejeitam o ministério de células como um todo porque temem que possa surgir um Absalão. O espírito de Absalão pode ser evitado quando cada líder estiver sob o olhar atento de um supervisor. Um bom supervisor percebe os sintomas de rebeldia e os aponta antes que possam afetar outros de maneira negativa. Desse modo, o supervisor desempenha o papel de um pastor, atento aos que estão sob seus cuidados.
Necessidades ministeriais específicas de membros da célula: Líderes de célula com frequência se defrontarão com necessidades ministeriais em uma célula que são muito delicadas e difíceis. Os líderes de célula precisam de um supervisor para compartilhar essas necessidades e para orar com a pessoa necessitada.
A supervisão mantém o ministério de células saudável, como um jardim bem cuidado. Sem ela, as ervas daninhas sutilmente começam a tomar conta e absorvem todos os nutrientes. Não importa em que altura você está na sua jornada de células, a supervisão consistente é essencial para a saúde e o crescimento a longo prazo.
JOEL COMISKEY

terça-feira, 10 de agosto de 2010

ROTEIRO PARA AS CÉLULAS - SEMANA 15

IGREJA METODISTA EM CARLOS PRATES
ROTEIRO PARA ESTUDO NAS CÉLULAS – SEMANA 15


A ORELHA, O CÁLICE E A FOGUEIRA
Texto Base: JOÃO 18.1-11;17-18
ENCONTRO
Você tem consigo ver a ação de Jesus em sua vida?
EXALTAÇÃO
DOIS CÃNTICOS OU HINOS
EDIFICAÇÃO
Ler João 18.1-11; 17-18-
1. A orelha nos lembra dos nossos ímpetos e de nossas decisões mais precipitadas. Como podemos melhorar nessa área? O que tem te ajudado?
2.Malco foi curado por Cristo - você precisa ser curado de mágoas ou feridas no teu coração? Você quer ser tocado por Cristo nesta área?
3. O cálice nos remete à ira de Deus contra nações e pessoas desobedientes a Ele. Como podemos agradar a Deus? Como Cristo agradou ao Pai?
4. A fogueira expôs a fragilidade de Pedro. Mostrou sua humanidade. Você já negou a Cristo? Como podemos acertar essas fraquezas?
5. Ainda bem que Jesus fez outra fogueira. Como Pedro foi confrontado? Qual seria a sua reação diante da proposta de Cristo?
EVANGELISMO
ENFOCANDO RELACIONAMENTOS - Nossos amigos e parentes precisam de nós. Precisam de Cristo. Continuem orando por eles. Façam contato, convidem para a sua casa e depois para a célula. Assim começam os encontros com Cristo. Nunca esqueça - orar é prioridade na vida do cristão.
AVISOS: 1º FALANDO DE CÉLULAS, 25 DE SEMBRO, SÁBADO, DAS 9 ÀS 17:OOH. CONVERSANDO COM ROBERTO LAY, 06 E 07 DE OUTUBRO.
ORAÇÃO – Orar pelos/as enfermos/as

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

FALANDO DE CÉLULAS

1º “FALANDO DE CÉLULAS”

Amados irmãos e irmãs;
Graça e Paz!
A igreja metodista em Carlos Prates, Rua Padre Eustáquio, 996, Carlos Prates, tem a alegria de convidar toda a comunidade metodista para seu primeiro “Falando de Células”. Este evento, visa promover uma reflexão em torno desta ferramenta que Deus, graciosamente, tem nos oferecido.
Este “Evento Colheita” de capacitação, acontecerá no dia 25 de Setembro 2010, sábado, das 9:00 às 17:00h, em Carlos Prates. Não haverá cobrança de taxa de participação. No entanto, estaremos oferecendo uma lista de restaurantes próximos à igreja, com os preços e cardápios, apenas para o almoço.
Agenda:
9:00 - Abertura/Louvor
9;30 – Palestra
11:00 - Café
11:15 – Célula
12:00 – Almoço
14:00 – Louvor
14:30 – Oficinas
15;30 – Café
15:45 – Célula
16;30 Encerramento/comissionamento/lanche/partida
As vagas são limitadas. Faremos apenas 20 inscrições para cada oficina, que serão preenchidas por lista de chagada; Gerações integradas ( crianças ), Marketing nas células, estabelecendo uma igreja de relacionamentos saudáveis, como iniciar o processo de transição, célula, o que é isso?.
Nos dias 06 e 07 de Outubro, quarta e quinta, receberemos a vista do Pastor Roberto Lay, conferencista internacional e coordenador nacional do ministério das igrejas em células (/www.celulas.com.br ). Para este encontro, com Roberto Lay, será cobrada uma taxa de 30,00, que deverá ser depositada na conta do distrito Norte de Belo Horizonte (Associação da Igreja Metodista – 4ª Região Eclesiástica, Banco Bradesco, Conta Corrente: 363887-1, Agência: 0465-0)
e comunicado ao Rev. Nelson Campos e à secretária da igreja metodista em Carlos Prates, irmã Vilma Meireles. A inscrição para o “Conversando com Roberto Lay, só será confirmada com o pagamento da referida taxa.
Na quarta, 06 de outubro, à tarde, ele falará para os/as pastores/as. À noite, para a liderança. Já na quinta, 07, manhã e tarde, pastores/as e à noite, novamente para a liderança.
Queremos convidá-los/as, juntamente com suas comunidades, para este momento de bênção, capacitação e confraternização.
Em Cristo;
Rev. Lugon

Maiores informações:
pastorlugon@hotmail.com – (31)3413 – 6470 Gabinete pastoral
Secretaria da Igreja – (31) 3412-3627
Obs: Vamos oferecer hospedagem para os participantes de outras cidades. Para que isso seja providenciado sem atropelos, caso necessitem, por favor, solicitem com antecedência.

PALAVRA DO PASTOR ROBERTO LAY

Para alcançar pessoas, a Igreja precisa mudar!
O pastor Roberto Lay visitou nos últimos dias 23 e 24 de junho a Primeira Igreja Batista de São José dos Campos-SP. Nessa visita, falou sobre o processo de transição de uma igreja convencional para igreja em células.
Na ocasião, Roberto foi entrevistado pela equipe do Jornal Comunidade, uma publicação da própria PIB SJCampos. Leia o que foi publicado.

O pastor Robert Michael Lay ou Roberto Lay, como é conhecido no Brasil, esteve visitando a PIB na última semana e abençoando não só a liderança como os membros que tiveram a oportunidade de receber suas palavras. O pastor de Curitiba atua como titular da Igreja Evangélica Irmãos Menonitas e há pouco mais de 12 anos coordena o Ministério Igreja em Células no Brasil, ministrando em congressos e seminários por todo o país a respeito da Visão e Estrutura de uma Igreja em Células. Cerca de 12.000 pastores e líderes de diversas denominações de todo o Brasil já foram treinados durante este período na implantação desta visão. O seu trabalho tem influenciado profundamente vidas e igrejas, levando-as a uma postura mais próxima dos planos que Deus tem para o Seu Reino. Roberto é casado com Alzira, tem quatro filhos e três netos. Em um bate-papo contou-nos como tem sido disseminar a missão de cuidar em células.

Jornal Comunidade. Pastor como é o movimento de "Células" (PG) ao redor do mundo?
Roberto Lay. O movimento de células ao redor do mundo hoje está sendo chamado de a segunda reforma, ou seja, a reforma dos odres. O vinho novo nós recebemos na primeira reforma no séc. 16 - a salvação pela graça mediante a fé, a palavra de Deus como única base para a nossa fé e prática. Nós ficamos com a estrutura antiga e o velho odre que tem em suas bases e raízes, no Velho Testamento, os sacerdotes etc. Perdemos o varejo e hoje os relacionamentos do varejo nos PGs é um retorno e está acontecendo em praticamente todas as igrejas ao redor do mundo. É um movimento mundial. O cristianismo em geral está retornando, voltando a ser uma igreja de relacionamentos também. Não só do culto do atacado, mas dos relacionamentos para o varejo.

JC. O que a Igreja ganha com esta transição?
RL. A Igreja como um todo ganha em intimidade, em identidade, em crescimento, não só quantitativo, mas qualitativo. Só tem vantagens porque ela agora tem a capacidade de transformar a sociedade.

JC. O que nós, como pessoas, ganhamos com este modelo?
RL. Você, como pessoa, ganha estabilidade, cuidado mútuo, você ganha família. Na célula, você ganha pessoas com as quais você vai conviver e que vão cuidar de você e você pode cuidar de outros também. Começamos a viver a mutualidade.

JC. Sobre a igreja nos lares, ou seja, a igreja no varejo; porque eu posso fazer acontecer ou receber?
RL. O cuidado, por exemplo, é só no varejo. Um pastor não pode cuidar de todo mundo sozinho. O pastor não pode visitar todo mundo e dar atenção a todos, e para isso, nós membros fomos chamados para cuidar uns dos outros. Eu tenho essa grande capacidade de ter família e de realmente me relacionar com o outro.

JC. Mesmo no Brasil é muito difícil fazer uma transição. Porque?
RL. A dificuldade na transição acontece por causa da mudança. Nós não gostamos de mudança. O Dr. Ralph Neighbour diz que nós gostamos de melhoria no que existe, mas não de mudanças, e se a gente gosta de mudança é por pouco tempo. Em longo prazo queremos sempre retornar para o antigo, para aquilo que sempre fizemos, por medo do novo. Nós somos cômodos por natureza, preguiçosos por natureza, e isso inclusive entre pastores. Há pastores que não querem pagar o preço de uma mudança, porque dá trabalho.

JC. E aqueles que assumem esta transição, quais são as principais mudanças que ocorrem?
RL. O fato de não enxergar mais a igreja como multidão, mas como famílias, farão as pessoas cuidarem umas das outras. No aspecto do evangelismo fica muito mais fácil. O evangelismo sempre foi um empreendimento de grupo. Transformar homens em pescadores, significa que cada pessoa da nossa célula (PG) vai pegar em uma ponta da rede e fazer um arrastão. E vamos pegar peixe!


JC. Neste contexto encontraremos grupos com maior resistência. Quais são as consequências para aqueles que ficam de fora?
RL. A consequência da estagnação. Eu tenho visto isso nas igrejas. Membros que não querem a mudança e também não participam da transição ficam para trás. Eles vêem um novo convertido chegar e entrar num trilho de treinamento, em uma caminhada de crescimento e depois de 3 ou 4 anos já estão ganhando outras pessoas, discipulando outras pessoas e conduzindo. O que não entrou, fica lá atrás.

JC. Deixe para a nossa igreja uma palavra de encorajamento, já que estamos assumindo esta transição.
RL. O encorajamento é: não desistam. Per¬sistam! Transição não é fácil. Jesus fez a transição com os seus discípulos e levou três anos com 12 cabeças-duras, mas foi muito paciente. Se não fosse a Sua paciên¬cia, persistência e determinação, o movi¬mento chamado Igreja não teria nascido. Foi por causa da persistência Dele, por causa do amor, da paciência e da paixão. O pastor Mário Vega escreveu um livro so¬bre esta transição, sobre a implantação de células, cujo título é "Paixão e Persistência". Eu queria desejar isso a vocês, muito amor e persistência. Paixão por Deus e pelos perdidos e persistência nesta caminhada, nesta transição.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

AS FORMAS DE LIDERANÇA

As formas de liderança
Joacir Martinelli
Publicado em 08.08.2006


Uma liderança ideal é algo difícil de ser definida, tendo em vista que um estilo adotado por um líder pode ser extremamente eficaz em determinada situação e, num outro momento, o mesmo estilo poderá ser totalmente inadequado. Por exemplo, um líder de presença marcante, de idéias definidas, o tipo conhecido como “personalidade forte”, pode ser um agente impulsionador para uma equipe composta de pessoas mais dependentes e que possuem uma tarefa a ser cumprida num curto espaço de tempo. Por outro lado, este estilo de liderança poderia causar a desmotivação em pessoas mais maduras, que se realizam ao efetuar suas atividades com autonomia.

Na verdade, esta dificuldade em definir um estilo ideal de liderança, não nos impede de analisar e aprender sobre as muitas formas de liderar, sobre os resultados alcançados por estas ou sobre seus “efeitos colaterais”.

A controvérsia entre os que defendem que uma pessoa já nasce com determinados traços de personalidade para liderar e os que acreditam que a habilidade de liderança é algo adquirido, através das experiências de vida, já não causa tanta polêmica, pois na prática, percebemos que pessoa alguma lidera sempre, em qualquer situação, como já vimos acima. Logo, a teoria dos traços de personalidade não encontra muita sustentação. É comum, entretanto, encontrar pessoas defendendo que o líder já nasce pronto. Na maioria das vezes, estas pessoas percebem que os líderes possuem características pessoais que lhes proporcionam esta habilidade, mas cientificamente não podemos afirmar que eles já nasceram com estas características.

Falemos agora mais especificamente sobre estilos de liderança:

A classificação mais popular das formas de se liderar admite existir a “autocrática” e a “democrática”.

O líder autocrático é mais conhecido como “chefe”. Seria aquele condutor que define o que e como deve ser feito. Podemos supor que se é ele quem define tudo, este acredita ser a sua opinião sempre a mais correta e ainda serem seus subordinados pouco merecedores de confiança. Fica nítido que a atenção principal deste líder está voltada para as tarefas e não para as relações humanas de seu grupo. Baseia seu poder geralmente na posição (cargo) que ocupa.

Já o líder democrático busca compartilhar suas decisões e atividades com os outros membros do grupo. Podemos dizer que ele possui outra visão do ser humano e de si. Caso acredite que todos devam participar do planejamento e execução da tarefa, podemos supor que não acredita ser o dono da verdade e que todos possuem condições de agir com autonomia e responsabilidade. Sua atenção está voltada principalmente para as relações interpessoais e vê seu poder baseado na credibilidade que o grupo lhe atribui.

Esta teoria, que divide a liderança em autocrática e democrática, é antiga e simplista. No entanto, podemos perceber que a maioria das outras são embasadas nesta classificação.

Quando saímos da teoria, podemos observar que raramente um líder possui apenas um estilo, que seja sempre autocrático ou sempre democrático. Ou ainda que, embora seja predominantemente democrático, não possa também possuir uma grande atenção para a tarefa.

Esta “mescla” de estilos na mesma pessoa pode ser extremamente benéfica. Como já dissemos anteriormente, a defesa de apenas um estilo como sendo o mais adequado é praticamente impossível, já que existem inúmeras situações pelas quais um grupo pode estar passando e que exigirá uma forma ou outra de liderança. Fatores como a maturidade dos membros do grupo, o relacionamento grupal, as crenças e valores pessoais, as diferentes tarefas que serão cumpridas e os prazos para execução, entre outros, deverão certamente influenciar no comportamento do líder.

Diante desta constatação Ken Blanchard e Paul Hersey (1969), sistematizaram a teoria da liderança situacional. Com este raciocínio, podemos analisar as diferentes situações com que nos defrontamos diariamente e conseqüentemente, os estilos mais adequados para lidar com cada uma delas.

Podemos por exemplo verificar o grau de motivação, o comprometimento e o preparo técnico da equipe que lideramos.

Suponhamos, a partir disto, quatro situações diferentes:

1) Numa equipe extremamente motivada, comprometida em alcançar o sucesso e bem preparada tecnicamente, podemos supor que a atenção do líder deverá estar voltada apenas para a definição de objetivos e verificação dos resultados.

2) Numa outra situação, podemos nos deparar com uma equipe formada por pessoas altamente capacitadas, porém não demonstrando motivação e comprometimento com os resultados. Neste caso, o líder não se preocupará com aspectos técnicos na execução das tarefas, mas estará voltado para o incentivo e estímulo dos participantes.

3) Pensemos numa outra situação, inversa da descrita acima: uma equipe motivada e comprometida, porém incompetente para a realização das tarefas exigidas. Neste caso, o foco principal do líder deveria ser o de capacitação técnica dos demais, através de treinamento.

4) Por fim, vamos imaginar um grupo de pessoas desmotivadas, descomprometidas e incompetentes. Aí, a atenção do líder necessitaria estar voltada para todos os aspectos discutidos nas situações anteriores.

Assim, fica clara a necessidade do líder desenvolver sua sensibilidade e percepção, “diagnosticando” sua equipe, para que possa definir deliberadamente como irá atuar. Não podemos nos esquecer que, em qualquer situação em que uma equipe possa estar, o líder nunca deverá perder de vista suas funções básicas de gerenciador, com atenção concentrada nos objetivos e resultados.

Por fim, seria fundamental lembrarmos que uma mesma equipe, assim como cada indivíduo, passa por diferentes graus de maturidade, ao longo de sua existência. Isto é importante para que não rotulemos as equipes de maduras ou imaturas. E lembre-se: a responsabilidade em tornar uma equipe cada vez mais madura é fundamentalmente do líder.

Na benção!!! Ministério Tudo Pelo Reino

OITO HÁBITOS DO LÍDER DE CÉLULA EFICAZ

Oito Hábitos do
Líder de Célula Eficaz

Introdução
Esse estudo é baseado no livro “8 Hábitos do Líder Eficaz de Grupos Pequenos” de Dave Earley – Ed. Ministério Igreja em Células no Brasil. O autor, após compilar esta lista de hábitos e ensiná-los por vários anos, chegou às seguintes conclusões:
1. Os oito hábitos funcionam
2. Os oito hábitos são universais
3. Os oito hábitos têm uma aplicação ampla
4. Eles são fáceis de entender e lembrar
5. A melhor qualidade destes hábitos é que eles são praticáveis
6. Os oito hábitos são realistas
7. Os oito hábitos são motivadores

1. Sonho
1.1. A importância de ter um sonho:
• Aumenta o potencial
• Ajuda na sua realização
• Ajuda a manter o foco e canalizar energia
• Aumenta o valor do grupo
• Prenuncia positivamente o futuro
• Motiva os líderes a continuar persistindo

1.2. Três sonhos de uma célula eficaz
• Saúde do grupo
o Características de Saúde:
 Deus está presente;
 Pessoas se importam umas com as outras
 Visitantes são convidados e bem vindos
 As pessoas têm fome da Palavra de Deus
o Barreiras:
 Orgulho (Tiago 4:6 e Isaías 57:15)
 Pecado (Salmo 66:18)
 Conflitos não resolvidos (Mt 5:23-24)
• Crescimento numérico
o Barreiras:
 Espaço físico limitado
 Falta de vida espiritual
 Falta de evangelismo intencional
 Falha em manter contato com os membros
 Falta de atividades sociais
 Falha do líder em dividir responsabilidades
• Multiplicação do grupo
o Barreiras:
 Não ter e não mentorear líderes
 Falta de planejamento para a multiplicação
2. Oração
2.1. Por que os líderes de célula eficazes oram diariamente pelos seus membros:
• É a tarefa mais importante de um líder
• Poupa tempo – “Estou ocupado demais para não orar”
• A oração se conecta com a onipresença e onipotência
• Torna tudo melhor – Passei tempo demais orando x Eu não orei o suficiente
• Provê a percepção necessária – falar e escutar: conectar-se com Deus
• É a nossa maior arma espiritual – podemos vencer o inimigo de joelhos
• Deus nos abençoa quando oramos pelos outros -
2.2. Dicas para a oração altamente eficaz:
• Estipule horário e tempo específico para a oração
• Tenha um lugar habitual para orar – Mateus 6:5-7
• Tenha um plano de oração – Esboço de Mateus 6:9-13:
o (vs 9) Adoração
o (vs 10-11) Petição
o (Vs 12) Confissão
• Anote em algum lugar os pedidos e as respostas de oração
• Peça para Deus direcioná-lo para um texto bíblico apropriado
o Efésios 1:17-19
o Efésios 3:16-19
o Filipenses 1:9-11
o Colossenses 1:9-12
o I Tessalonicenses 1:2-3
• Tempere sua intercessão com ações de graça por todos os membros
o Efésios 1:16; Filipenses 1:3-4; Colossenses 1:3-4; I Tessalonicenses 1:2
• Una jejum com oração para um ministério mais forte
o Determine o período de jejum
o Determine do que você vai se abster
o Prepare-se espiritualmente arrependendo-se de seus pecados
o Prepare-se fisicamente comendo menos nas refeições anteriores
o Procure estar menos ocupado durante este período
o Separe bastante tempo para estar na presença de Deus
o Considere o efeito que o jejum possa ter sobre medicação prescrita
• Ore por todos os elementos possíveis do encontro antes da célula se reunir
• Ore pelos seus auxiliares e pelas futuras células que serão geradas a partir da atual
• Ore para que a graça de Deus ajude você a colocar em prática todos os oito hábitos – sonhar, orar e os outros seis que ainda vamos aprender.

3. Convite
3.1. Razões por que é essencial convidar pessoas:
As pessoas precisam conectar-se com você antes que possam conectar-se com Deus.
• Se o seu grupo não tem visitantes, ele não vai crescer
• Se convidar as pessoas, elas virão
• Convidar pessoas pára o declínio do numero de pessoas no grupo
• O crescimento numérico resulta em disposição e ânimo renovados
• Convidar pessoas faz com que os membros se sintam parte do grupo

3.2. Erros a serem evitados ao convidar pessoas
• Deixar de saturar a situação com oração
• Permitir que a pessoa diga “não”
• Desistir cedo demais
• Falhar em entender o princípio: “seis vezes para fixar na mente”
• Falhar em orar e aproveitar as oportunidades
• Deixar de vencer as três vitórias:
o Ganhe a pessoa para você
o Ganhe a pessoa para o seu grupo ou igreja
o Ganhe a pessoa para Cristo
• Tentar ser o único que convida
• Deixar de aproveitar as oportunidades emocionais propícias
o Morte na família
o Casamento
o Divórcio
o Mudança para novo endereço, trabalho, escola, etc.
o Doença séria
o Nascimento de um filho
• Níveis de pressão inapropriados: “quanto melhor o produto menos pressão para vendê-lo”

3.3. Sugestões para o que dizer e quando dizê-lo:
• Comentários que vão estimular o ânimo das pessoas que você quer convidar:
o Temos um grupo maravilhoso
o Deus está respondendo as nossas orações
o As pessoas do nosso grupo realmente se importam umas com as outras
o Adoraríamos ter você conosco
o A maior parte das pessoas do nosso grupo é [solteiro, está noivo, está namorando firme, está na faculdade, é atleta] como você.
o Gostaríamos de ter [um pensador inteligente, alguém com um senso de humor, um coração tão amoroso] como você no grupo.
• Declarações que plantam a semente:
o Você vai gostar do grupo
o Você se encaixa perfeitamente neste grupo
o Ficaremos muito felizes em ver você chegar ao nosso encontro
• Perguntas que lançam a isca:
o Você participa de um grupo que estuda a Bíblia semanalmente?
o Nosso grupo se reúne em tal lugar em tal horário. Por que você não participa conosco?
o Será um privilégio tê-lo conosco. Será que podemos contar com a sua presença?
• Declarações que mostram o poder do grupo
o Estivemos orando [pela sua avó, seu trabalho, sua cirurgia, seu exame]
o Quando as pessoas se integram no grupo as suas vidas são mudadas.
o As pessoas que participam do grupo não se sentem sozinhas
• Respostas quanto às possíveis preocupações delas
o Você não precisa ter conhecimento bíblico para participar
o Você não precisa orar ou cantar em voz alta se não quiser.
o Você não precisa se preocupar com que roupa vestir. Eu vou de jeans.
o Se você for ao encontro e não gostar, nós não vamos ficar insistindo que você volte todas as semanas.

4. Contato
Se você contatar os membros do grupo eles continuarão vindo. Se não contatá-los ele não continuarão vindo.

4.1. Razões para contatar regularmente os membros da célula
• O contato ajuda a sua célula crescer
• O contato aumenta a média de freqüência semanal
• O contato ajuda um pastor a conhecer o estado do seu rebanho
• O contato comunica cuidado
4.2. Sugestões que tornam o contato bem sucedido
• Pergunte: “Como posso orar por você?”
• Pergunte: “O que você deseja que Deus faça nesta situação?”
• Diga: “Vamos orar agora mesmo.” (então ore pelas pessoas naquele mesmo instante, em voz alta)
• Pergunte: “Você gostaria de orar?”
4.3. Sugestões acerca do que falar como parte de um contato regular
• Como está indo o seu namoro?
• Você gosta do seu trabalho/curso? Ou pensa em mudar de área?
• Do que você mais gosta em nossa igreja?
• O que você mais aprecia em nossa célula?
• O que você gostaria que fosse diferente em sua vida daqui a cinco ou dez anos?
• Você já chegou a pensar na idéia de liderar uma célula?
4.4. O momento mais importante de fazer um contato
• Logo depois da primeira visita à sua célula
• Um contato semanal nas primeiras semanas
• Depois de uma ausência
• Depois que eles compartilharem no grupo que estão passando por provação
• Depois de um momento tenso no grupo.
4.5. Os segredos usados por pessoas de contato altamente eficaz
• Considere o tempo que você gasta contatando pessoas como um tempo de ministério primordial.
• Ore pela direção do Espírito para falar as palavras certas.
• Não perca os momentos-chave mencionados anteriormente.
• Ore para Deus mostrar quem ele quer que você contate naquela semana.
• Seja positivo acerca de Deus, da sua igreja e da sua célula.
• Mostre consideração com o tempo e a agenda deles. Se eles estiverem ocupados, seja breve.
• Seja sensível quanto ao ânimo da pessoa contatada. Se ela está disposta a conversar, tome tempo para ouvir. Se não, não force a situação.
• Tenha um caderno em que você possa anotar os seus contatos.
• As coisas que são faladas confidencialmente precisam ser mantidas confidenciais.
• Seja constante. Procure certificar-se de que todos sejam contatados regularmente.
• Se eles compartilharem uma necessidade com você, encerre o contato orando por eles.
• Use seus auxiliares e membros da célula para repartir a carga dos contatos.
• Separe um tempo fixo cada semana para fazer seus contatos. Separe uma ou duas horas em sua agenda semanal para contatos e veja a diferença que isso faz.

5. Preparo
5.1. Por que preparar:
O preparo semanal mantém a célula se movendo na direção de Deus.
• A preparação dá a Deus a oportunidade de trabalhar
• A preparação aumenta a confiança e a fé
• A preparação estabelece credibilidade
• A preparação aumenta a qualidade
• A preparação reforça o valor da vida da célula (tempo = importância)
• A preparação para hoje é o segredo do sucesso amanhã

5.2. O que preparar
• Prepare-se pessoalmente
o Existe algum pecado que preciso confessar?
o Estou permitindo que o Espírito Santo domine a minha vida?
o Tenho um coração agradecido pela oportunidade de liderar uma célula e todas as pessoas que fazem parte?
o Estou disposto a aplicar a Palavra em minha vida diária?
o Existe algum relacionamento que preciso consertar?
o Recursos importantes para o preparo pessoal: jejum e o louvor e adoração
• Prepare a atmosfera
o O local – limpo, confortável e espaçoso
o A música de chegada e do louvor
o O lanche
• Prepare a agenda do encontro
o Boas vindas (10-25 min):
 Lanche e a saudação na entrada da casa
 Início do grupo e saudação inclusiva
 Quebra-gelo – aumentar o nível de intimidade. Três níveis de intimidade e quebra-gelo
• Tornar-se conhecido (compartilhar coisas não ameaçadoras acerca de si mesmas – atividade favorita, memórias boas)
• Tornar-se conhecido espiritualmente (compartilhar acerca de sua experiência espiritual – como tiveram um encontro com Cristo, alguma revelação na palavra)
• Afirmação e elogios (compartilhar impressões positivas sobre os outros membros do grupo)
• Aprofundando os relacionamentos (compartilhar pontos de dor e fracasso, boas perguntas que revelem as feridas, o coração e a história das pessoas) – a chave é a honestidade do líder.
o Adoração (10-15min)
 Cantar, orar e ações de graça.
 Escolha músicas animadas, todos de pé, distribua letras, repita com freqüência para aprenderem.
 Faça dinâmicas diferentes: oração frase; lista de agradecimentos; músicas só para ouvir e meditar, músicas com coreografia, etc.
o Palavra (30-45min)
 Perguntas que introduzem as Escrituras ou o tópico a ser estudado
 Perguntas que ajudam as pessoas a interagir com as Escrituras
 Pergunte para os membros do grupo individualmente como eles planejam colocar em prática a verdade discutida.
o Oração (10-30 min)
 Orem uns pelos outro
 Ore pelos ausentes
 Ore pelas pessoas a serem alcançadas
 Ore pela célula, sonhos, eventos, líderes em treinamento, etc.
 Ore pela igreja
• Desafios e Planejamento (10-15 min)
 Planeje e ore pelas pessoas a serem alcançadas (lista)
 Planeje contatar os ausentes.
 Planeje atividades sociais
 Promova as atividades da igreja
• Prepare a edificação bíblica
o Ore acerca do texto a ser estudado
o Estude o texto bíblico (observação, interpretação e aplicação)
o Estabeleça pontos de conexão como grupo
o Desenvolva perguntas apropriadas de introdução, discussão e aplicação

5.3. Sugestões para otimizar seu tempo de preparo
• Convide seu auxiliar para ajudar no preparo do encontro.
• Jejue no dia do seu preparo
• Estabeleça um tempo e um local para o preparo semanal.
• Treine e use seus auxiliares e outros membros para liderar partes do encontro

6. Mentoreamento
6.1. Por que mentorear:
No cristianismo, o mundo nunca vai ser alcançado e a próxima geração estará perdida a não ser que discipulemos outros.
Mateus 28:19-20 / 2 Timóteo 2:2
Não existe sucesso sem sucessor

6.2. Mentorear é:
• Cooperar com Deus em levantar um auxiliar para tornar-se um líder de célula altamente eficaz.
• Seguir o exemplo de Jesus e Paulo
• Uma excelente maneira de amar os outros
• O modo de multiplicar-se a si mesmo
• A forma de uma pessoa comum alcançar milhares
• A essência de fazer discípulos
• Uma maneira de manter uma prestação de contas compassiva
• Entregar o ministério para que outros ministrem
• Dizer não para o urgente para poder dizer sim para o potencial do importante
• A parte mais duradoura da liderança de célula

6.3. Sete passos para formar líderes multiplicadores e reproduzir reprodutores
1. Demonstre o que você espera reproduzir
2. Descubra líderes em potencial
o Mateus 9:38
o Três “C”s:
 Compatibilidade (Marcos 3:13)
 Caráter (I Tm 3:1-8): Fidelidade; Disponibilidade; iniciativa; ensinável; honesto; aberto; transparente.
 Competência (Êxodo 18:21)
3. Aprofunde o seu relacionamento com os líderes em potencial. Ótimas maneiras de aprofundar relacionamento: orem juntos e façam coisas juntos.
4. Descreva a visão – (ilustração dos pedreiros)
5. Determine o compromisso a ser assumido (Marcos 1:16-20)
6. Desenvolva-os:
o Sirva de modelo (Barnabé e Paulo)
o Seja um mentor
o Seja um motivador
o Seja um multiplicador
7. Envie-os

6.4. Sugestões para o mentoreamento
• Nunca realize o ministério sozinho
• Aproveite plenamente as oportunidades de treinamento que sua igreja oferece
• Esteja constantemente de olho em novos líderes
• Fale da liderança como um privilégio, não um peso.
• Não se coloque num pedestal ou as pessoas em potencial vão esquivar-se da liderança.
• Delegue responsabilidades antes de pedir para alguém considerar a idéia de ser líder.
• Sempre consulte as pessoas acima de você antes de confirmar um cargo.
• Não se esqueça que falhar em mentorear sempre vai significar falhar em multiplicar.
• Não libere líderes antes que eles tenham uma boa oportunidade de serem bem-sucedidos.
• À medida que voe passa pelos ciclos do grupo, diminua o seu papel ministerial e amplie o papel do seu auxiliar.
• Elogie e encoraje seus auxiliares em cada passo do caminho.

Três maneiras de gerar um novo grupo
• Multiplique: dois grupos do mesmo tamanho se multiplicam a partir do grupo mãe.
• Inicie: Um grupo cerne do grupo mãe inicia um grupo novo
• Plante: uma pessoa do grupo original planta um grupo novo enquanto outros continuam fazendo parte do grupo original (grupo mãe)
Sugestões de multiplicação
• Fale a respeito de multiplicação desde o começo e com freqüência
• Fale acerca da multiplicação de maneira positiva
• Fale acerca da multiplicação enfatizando o quadro geral
• Ore acerca do melhor método e do melhor momento para multiplicação
• Estipule uma data para a multiplicação
• Celebre o novo nascimento

7. Comunhão
7.1. O poder dos encontros sociais para comunhão:

• Aumentam a disposição, o interesse e o envolvimento do grupo.
• Atraem pessoas novas.
• Permitem mais oportunidades para praticar a verdadeira comunhão (koinonia).
• Criam oportunidades para praticar as ordens dos “uns aos outros” do N.T.

Mandamentos Uns aos Outros
I Ts 5:11; Encorajar, exortar e edificar Hb 3:13; 10:25 Rm 16:16; Saudar uns aos outros I Co 16:20; II Co 13:12; I Pe 5:14
Rm 12:16 Honrar um ao outro Hb 10:24 Estimular ao amor
Ef 5:19 Falar com salmos I Co 1:10 Concordar
Rm 12:16 Viver em harmonia Tg 4:11 Não falar mal
Ef 5: 21 Submeter-se Gl 5:13 Servir
Rm 14:13 Deixar de julgar I Pe 4:9 Ser hospitaleiro
Cl 3:13 Suportar e perdoar Gl 6:2 Ajudar a levar as cargas
Rm 15:7 Aceitar I Pe 5:5 Ser humildes
Cl 3:16 Ensinar e aconselhar Ef 4:32 Ser bondoso e compassivo
Rm 15:14 Instruir I Jo 1:7 Andar na luz e ter comunhão

• Criam oportunidades para promover o discipulado. Considere o exemplo de Jesus:
o João 2:1-10 casamento
o Lucas 5:29-32; 7:36-48 jantar/banquete
o Lucas 8:22-25 viagem de barco
o João 11:17-44 funeral
o Mateus 12:1-8 colheita de espigas de trigo
o Mateus 26:17-28 refeição festiva
o Lucas 24:13-27 caminhada
• Ajudam a vincular as pessoas novas ao grupo e à igreja.

7.2. Sugestões para usar os encontros sociais e atividades de comunhão de maneira eficiente
Pense em gastar tempo juntos buscando maior intimidade no grupo.
• Varie sempre
• Use a influência positiva da comida
• Não faça todo o trabalho sozinho: delegue.
• Planeje com antecedência.
• Intercale atividades sociais com reuniões de grupo
• Relaxem, divirtam-se e desfrutem da presença dos outros

7.3. Sugestões de encontros sociais e atividades de comunhão que você pode usar
 Organizar uma festa na primeira parte do encontro do seu grupo. Peça para cada participante trazer comida e use o tempo para conversar e rir e jogar alguns jogos.
 Participar de uma apresentação de um membro do grupo num concerto ou audição
 Dia da fotografia – todos levam álbuns de quando eram crianças para compartilharem
 Servir como grupo em uma atividade da igreja (ex: organizar o estacionamento no batismo / serem os recepcionistas num congresso)
 Ajudar na arrumação da casa de uma viúva ou mulher separada (fazer o serviço de homem na casa – arrumar varal, montar estante, consertar algo, etc.)
 Participar de um seminário ou conferência em outra cidade juntos.  Participar de uma viagem missionária breve
 Promover uma piscinada  Jogar baralho
 Ajudar na mudança de um membro do grupo  Sair juntos para comer em um restaurante fino
 Visitar e fazer um culto em um lar de idosos ou creche  Levar um jantar de natal e presentes para uma família em necessidade
 Ir ao cinema na estréia de um filme badalado  Organizar uma festa de aniversário surpresa
 Praticar canoagem ou esportes radicais (ex: dia na Serra do Cipó)  Realizar um jantar internacional com um missionário ou pastor da igreja
 Preparar uma festa de dedicação da nova casa de um membro do grupo  Organizar uma festa temática e vestir-se de acordo
 Assar bolachas ou fazer receitas especiais juntos  Participar de um funeral de um ente querido de um dos membros do grupo
 Fazer uma visita a uma casa de recuperação  Ajudar a reformar a casa de uma pessoa necessitada
 Organizar uma noite romântica para casais  Visitar um membro do grupo no hospital
 Festival de tortas / sorvete / pizza  Sessão de vídeo c/ pipoca
 Jogar um jogo de tabuleiro diferente  Participar de uma caminha de oração
 Participar de um passeio de bicicleta  Participar de uma caminhada
 Acampar juntos  Realizar uma festa num feriado
 Servir sopa para mendigos na rua  Assistir a um programa especial de TV
 Organizar uma refeição ao ar livre  Participar de uma corrida de obstáculos
 Organizar um caça-tesouro  Visitar um museu
 Fazer uma noite do pijama  Fazer compras
 Ir a um show  Realizar uma vigília de oração
 Planejar um piquenique com o grupo  Jogar boliche
 Ir a um jogo de futebol / vôlei  Jogar vôlei
 Servir no berçário da igreja  Distribuir Bíblias de porta em porta

8. Crescimento
8.1. Características do crescimento pessoal
• Deus espera o nosso crescimento espiritual (II Pedro 3:18)
• É a fonte para a mudança e crescimento da célula
• Previne o declínio da nossa vida pessoal (tudo muda – ou cresce ou declina)
• É uma área em que você mesmo precisa trabalhar
o I Tm 4:7 Paulo recomenda que Timóteo se esforçasse nisso
o Rm 14:12 É um mandamento, uma ordenança.
• É a chave para permanecermos “afiados” e eficazes (ilustração do lenhador)
• É um processo para a vida toda, não um compromisso de curto prazo (Filipenses 3:12-14). O alvo é tornar-se um pouco melhor a cada dia e construir a partir do progresso do dia anterior.
• Deveria estar ocorrendo em quatro áreas-chave da vida
o Sabedoria – vem daquilo com que alimentamos a nossa mente
o Estatura – saúde física é resultado de dieta, descanso e exercício.
o Graça diante de Deus – crescimento ocorre por meio das disciplinas espirituais
o Graça diante dos homens – investimento em relacionamentos-chave para crescer socialmente
• É o produto de hábitos diários. (o que é um hábito?)

8.2. Os dez mandamentos de crescimento pessoal
1. Faça a escolha de ser uma pessoa em constante crescimento – quem você é hoje é o resultado das escolhas que você fez no passado. Quem você será amanhã....
2. Enfoque suas atividades e estabeleça alguns alvos. Estes alvos devem ser:
 Simples
 Mensuráveis
 Atingíveis
 Relevantes
 Orientados pelo tempo
3. Reúna as ferramentas necessárias
4. Desenvolva um plano que se adapte a você
5. Planeje o tempo necessário - as pessoas mais bem sucedidas aproveitam o tempo que outras pessoas desperdiçam
6. Semeie antes de esperar colher – Você precisa semear a coisa certa para colher a coisa certa (Gálatas 6:7)
7. Preste contas da sua vida – peça ao seu líder de célula ou discipulador para cobrar de você seu progresso e para isso mantenha um registro por escrito para que ele possa avaliar.
8. Compartilhe o que você aprendeu com outros – aprender para ensinar e ensinar para aprender.
9. Associe-se com pessoas em crescimento (Provérbios 27:17)
10. Coloque em prática o que você aprendeu – use ou esqueça!